sexta-feira, 28 de abril de 2017

Falácias, torcidas e manifestações

Desconstruir FALÁCIAS é missão de todo filósofo. As redes sociais hoje estão cheias delas. Sócrates é mortal, mas nem todo mortal é Sócrates. 

Imaginem o fato: «Quando chove, o chão molha.» Daí a internet "conclui" com a mesma "certeza" que:

A) O chão está molhado. Logo, choveu. 
B) O chão não está molhado. Logo, não choveu.
C) Não choveu. Logo, o chão não está molhado.
D) Choveu. Logo, o chão está molhado.

Entretanto, note que A e C são falsas. Dona Maria pode ter lavado a calçada. Só B e D são raciocínios logicamente válidos. Mas é justamente A e C que são usados - por ambos os lados - para fabricar os memes políticos (ou futebolísticos, não há mais diferença) de sarcasmo e má fé.

Este texto é sobre estrutura lógica, e não sobre premissas políticas. Não pretendo discutir meteorologia ou a falta de consciência ecológica de Dona Maria. Dito isso, troquemos agora o chão molhado de Sócrates pelas premissas desta semana, numa versão razoável. Talvez não sejam unânimes para uma minoria radical, mas não são o meu alvo.

1) Reformas são NECESSÁRIAS. Trabalhista, previdenciária, política, tributária. O país e o mundo mudaram muito nessas décadas. A China comunista tem livre iniciativa, a Inglaterra liberal tem impostos altos e direitos sociais.
 2) Entretanto, os piores representantes que já tivemos em Brasília estão se aproveitando do (justificável) "ódio ao PT" para aprovar QUALQUER COISA, não do interesse do país, mas apenas deles próprios e de quem os financia lá.

Ora, voltando a Sócrates: Hitler era vegetariano, mas nem todo vegetariano é nazista. O PT se diz de esquerda (há controvérsias, devido às relações promíscuas com o capital), mas nem toda esquerda é petista - ou corrupta. Bolsonaro se diz de direita (há controvérsias, pois ditaduras implicam excesso de estado incompatível com o neoliberalismo), mas nem toda direita é Bolsonarista - ou autoritária. 

Tudo fica mais complicado quando temos duas situações que tem torcidas contrárias mas nem por isso sejam mutuamente excludentes. Por exemplo, iniciativa privada e economia moderna são coisas boas. Justiça social e serviços básicos garantidos também. Como disse, em algum nível tanto a Inglaterra "capitalista" quanto a China "comunista" conjugam os dois. Entretanto, a "torcida" do liberalismo econômico é, em geral, oposta à torcida da aplicação social dos impostos. Na teoria isso faz algum sentido (há controvérsias, pesquisem por "political compass"). Na prática esquerda e direita "lineares" são hoje conceitos teóricos e utópicos. Uma leve tendência de posicionamento, não um "regime" ou uma implementação.

Então, voltando às falácias: Nem todos que vestem amarelo estão lá pelo MBL ou pela ditadura de Bolsonaro, nem todos que estão a favor da greve de hoje estão lá pela CUT ou pela impunidade de Lula. Creio até que poucos das ruas aprovem o método "os fins justificam os meios" de MBL's, CUT's, Ditadores e MTST's. Mas isso não significa que todas as causas (amarelas ou vermelhas)  sejam injustas, nem que seja proibido concordar com eles em ALGUMA coisa.

Outro exemplo: Alguém pode gostar de 10 artigos da nova CLT e mesmo assim ser extremamente prejudicado por "apenas" dois ou três que foram aprovados sem debate ou consideração com a população. Isso não significa aprovar impunidade para Lula (nem para Aécio, Serra, etc), nem querer excessos dos sindicatos - embora nada impeça que alguém concorde - ou discorde - com as três "causas" ao mesmo tempo.

Não há incoerência ou "isenção" em compreender (ou tolerar) interesses (aparentemente) opostos, mas para isso precisamos ir além das falácias, preconceitos e generalizações. Empresários, profissionais liberais e trabalhadores se sentem prejudicados pelo governo. Cada um tem suas próprias reivindicações - e culpados favoritos. Por outro lado, políticos, bancos e associados ao poder parecem se dar bem. 

Um outro fato além das falácias: Assalariados perdem aposentadoria e direitos apesar da crise, bancos têm anistia tributária apesar dos lucros. Não se trata de posição política. Isso é ilógico em qualquer época ou país. Ou desonesto, se preferir. No último ano, não tem sido mais esquerda contra direita: é o estado e o congresso promiscuo contra (todos) nós. Discernir esta obviedade não significa (necessariamente) aprovar o governo anterior.

O direito de manifestação é indispensável à democracia. Posso não concordar com todas as reivindicações, mas jamais serei contra o direito de alguém se indignar e se manifestar. A maioria das oposições baseiam-se mais em falácias e preconceitos do que em argumentos ou razão. Ora, apenas regimes autoritários criminalizam o pensamento divergente. 

Amarelos e vermelhos não são tão diferentes assim, estruturalmente. Todos queremos um país melhor. Falácias não vão nos ajudar. Manifestações, talvez sim.

.


OBS: Todo texto é parcial, nem que seja em favor do caminho do meio 😉. Mas apesar da conclusão, este post é sobre lógica e não sobre premissas políticas ou meteorologia.  Não pretendo converter aqueles que já se decidiram pelo maniqueísmo passional. Toda história tem pelo menos três lados, incluindo a síntese embutida na antítese, nunca há  "equilíbrio" nas extremidades. Minha motivação é apontar falácias de raciocínio lógico que levem a desnecessárias intolerâncias e guerras entre irmãos.


sexta-feira, 16 de setembro de 2016

SINCRONICIDADES E AMOR-FATI: Um outro olhar sobre a "tragédia" (*) de Domingos Montagner

Há fatalidades, e todos têm a sua hora. Coincidências existem também. Quem pode dizer quais são todos os desígnios - e métodos - dos deuses?

Ninfas, Yaras, Sereias e o "moço bonito": um arquétipo universal
Mas como espiritualista, bruxo e sacerdote cabe relembrar que a morte não é o fim, e que a novela explorava mitos, lendas e egrégoras REAIS, milenares e xamânicas ligadas à força do Rio. Inclusive às Iaras, às barcas dos mortos, aos xamãs e a tantas outras coisas que os ditos "crédulos" e "antigos" JURAVAM já ter visto por ali ao longo dos séculos.

Cada um é cada um, e todo trabalho é digno. Domingos fazia o seu. Paz e serenidade aos que partem e aos que ficam. Muitas bênçãos à família e a todos que amam esse grande ator. Que cada um tenha conforto em seu Deus - com respeito recíproco.

Mas pelo sim, pelo não, toda vez que entro numa pedreira, cachoeira, mar, rio, mergulho em corais, caverna, corredeira, ou me hospedo na mata atlântica em volta das praias dominadas por paulistanos, eu tento me lembrar de dar um "oizinho" para a turma que toma conta do lugar a milênios.

Eu mesmo já presenciei coisas muito “cabulosas” na Ilha do Cardoso, por exemplo. Barcos de almas inclusive, em meio à tempestade. E não vi só - cerca de 10 pessoas comigo saíram quase todas correndo ao vê-lo se aproximando cada vez mais na tempestade (né, Luis Levy & Olavo Borges?). Por longos momentos, minutos - para desaparecer do nada quando próximo. “Alucinação” coletiva, talvez. Quem pode dizer? Mas não era um momento qualquer. Não havia mais ninguém no píer em meio à chuva. E era um grupo espiritualista, com práticas frequentes se bem que passei a desconfiar da “crença” de alguns amigos “espiritualistas” que saíram correndo ao ver “fantasmas”, hehehe - cuidado com o que chamam, vai que o paralelo aceita o convite?).

Outro exemplo, até mais forte: Quando mergulho, harmonizo a respiração com o cilindro e contemplo a força dos milênios na forma de metros e metros de cardumes de peixes em cima de mim nos corais. Nesse momento, sinto uma voz, um chamado no silêncio, me convidando a ficar ali para sempre, além do tempo. Uma convocação honrosa para eu somar à força e egrégora protetora do lugar. Um profundo silêncio e paz. Tenho ciência que minhas práticas e ritos - no local, inclusive; a imagem e reverência a Yemanjá em minha clínica, além de diversos outros caminhos espirituais, maçônicos, meditativos e internos reforçam esse chamado. E algo em mim sabe que isso seria possível, e não haveria dor, pois ao adentrar esse chamado todas as outras dores e lágrimas do tempo ficariam para trás. ( Como no pequeno conto "A Escrita do Deus", do genial Jorge Luis Borges, leiam! LEIAM!!! )

A gente chegou "outro dia" (séculos são nada diante de Gaia) nessas terras "encantadas" - e agimos como se já fossemos donos eternos do lugar.

Mas sou bruxo, projetor astral, sei entrar e sair dos lugares - e ainda que diante do canto irresistível das sereias, eu consigo me lembrar que tenho uma filha de 2 anos, uma esposa dedicada e meus pais idosos de um filho único precisando muito de minha presença no tempo-espaço deste nosso momento histórico-dimensional que pensamos ser "a" realidade (ignorando as provas, sonhos, milagres e sincronicidades que o inconscientes nos dá todos os dias). Então eu respeito, e peço licença para adentrar lugares sagrados assim.
Me lembrei agora também de Vivekananda, que no século XIX disse a seu mestre que seu objetivo espiritual era se dissolver no mar do samadhi, fundir-se à Grande Mãe, entrar em êxtase divino, libertar-se das rodas das encarnações... ao que o sábio Ramakrishna lhe respondeu: "você não acha que é um objetivo muito egoísta enquanto há tantos aqui na Terra ainda precisando de nós?"
Um bom ator, como Domingos, além da sua arte rara ainda chama a atenção de milhões para muitas coisas, é um trabalho lícito e importantíssimo. Ficando ou partindo. E todos temos a hora de partir, embora raros de nós o façamos em momento de glória e reconhecimento, como ele teve a felicidade (no sentido maior, além das dores daqui) de partir, com preces de milhões. 

Quero crer que a "morte" do ator tenha sido uma infeliz coincidência. Mas ainda assim podemos aprender com ela, e bastante, sobre tudo que move a vida além do visível. Quero crer que tudo tenha uma razão. Que amar a vida e a Criação só seja possível, como diz Nietzsche, pelo amor-fati que as compreende em todas as suas dimensões, inclusive a "trágica".

A criança madura que me habita também se satisfaz e sorri com a "fantasia psicótica minha" das Yaras recebendo o "moço bonito" que de algum modo se integrou a partir de seu trabalho, realizando sua missão pré-acordada de chamar a atenção para os mistérios do rio, da vida e da morte. Das musas e deusas patronas-inspiradoras das artes agora sorrindo a cada vez que ouvem a expressão de que "a vida imita a arte", ou que alguém agora revê a obra "Velho Chico" com outros olhos. Quem será mesmo que a escreveu, e quem a inspirou?

Algo em mim prefere imaginar uma festa hoje no mundo paralelo junto ao Velho Chico. Algo em mim prefere pensar que tudo tem seu sentido, que tudo está em harmonia, e que somos muito mais do que podemos perceber. Algo em mim prefere se lembrar de Krishna no Baghavad Gita ensinando que nada mata o espírito, que a água não o molha, que o fogo não o queima, e que ninguém nasce nem ninguém morre, apenas entramos e saímos de corpos perecíveis. Ninguém morre! Ninguém morreu!!

Boa viagem... para quem fica. 
E bom retorno, para quem se foi.

Blessed be!

Palestrante Espiritualista e Maçom
(Pré) Sacerdote Hades da Tradição Telucama de Bruxaria Tradicional
Professor do Portal Lumeo de Cursos e Vídeos Espiritualistas


(*) “TRAGÉDIA” no sentido grego, sábio, de "amor fati" nietzschiano, sem desmerecer a dor real da saudade dos que ficam, nem desrespeitar as crenças diferentes que cada um de nós tem no Grande Arquiteto desse nosso universo.

sábado, 12 de março de 2016

Motivos ÉTICOS para NÃO APOIAR as manifestações

   
Há pessoas éticas e anti-éticas apoiando a manifestação. 
Há pessoas éticas e anti-éticas rejeitando a manifestação. 
"Ter caráter" não significa "pensar igual a você".
Muitos comparecem às manifestações movidos por nobres ideais. É uma justa expressão de sua liberdade. Mas em contraponto, apresento (meus) MOTIVOS IGUALMENTE JUSTOS PARA NÃO APOIAR A MANIFESTAÇÃO.
 
Qualquer que seja a sua posição, um bom domingo para você. Espero que sua intenção seja boa, e não o tenha cegado às outras visões. Não pretendo "convencer" quem está convicto do contrário, e menos ainda aos intolerantes - mas sim elevar o nível da discussão, para dar argumentos para quem pensa parecido comigo, mas não havia conseguido se expressar.
 
Antes, permita me apresentar: Não sou PT nem PSDB. Não tenho bandido de estimação - nem malvado favorito. Vivo de modo ético e justo. Sou um homem livre e de bons costumes. Sou a favor da liberdade e da democracia. Sou a favor também da justiça social. Sou contra a corrupção. Não sou nem um alienado político, nem um humanista estereotipado - tenho formações em filosofia, ética, ciência política e história; mas também em engenharia. Passaria férias nos EUA ou em Cuba - mas não moraria em nenhum dos dois extremos.      
 
Há quem esteja nas ruas para unir o povo.
Outros preferem dividir, perseguir e matar. Outra vez.
Me entusiasmei quando vi todos clamando por ética, contra a corrupção. Sinceramente, acreditei que valeria para todos, e que visasse a UNIÃO do povo, e não a sua divisão. Em vez disso, vi pessoas de ambos os lados se falando em guerra civil. Li ameaças de violência e discursos de ódio. Vi ameaças a desafetos, e não só políticos. Eu mesmo recebi uma ameaça de morte em um grupo, apenas por propor ponderação.


Outros não são tão explícitos quanto à guerra que travam, mas fazem pior ao discriminar, constranger, perseguir e até excluir amigos, parentes e irmãos que pensam diferente. Sem fraternidade e tolerância, não há família, consenso, empatia ou compaixão.  

Aquele que luta com monstros deve acautelar-se para não tornar-se também um monstro. Quando se olha muito tempo para um abismo, o abismo olha de volta para dentro de você.
Aquele que luta contra monstros deve acautelar-se para não tornar-se 
também  um monstro. Quando se olha muito tempo para um abismo,
o abismo olha de volta para dentro de você.
    
Bom Senso tem 1001 utilidades.
Você precisa experimentar!
Em ética, os fins não justificam os meios. Uma das coisas que mais me irrita no PT é justificarem qualquer ato por terem feito algumas coisas boas para a população - ainda que, ultimamente, a um preço caro para nós. Ora, se detesto isso, não posso me aliar a quem também tem admitido que os fins justificam os meios quando se trata de retirar seu inimigo favorito. O governo não está acima da lei - nem a oposição. Vale também para réus e juízes. Sem reciprocidade, não há justiça.       


Outra coisa que me incomoda é ver gente movida a ÓDIO e preconceito, que já tem dado a sentença antes do julgamento e defesa. Transformaram a democracia, a ética e a justiça em uma torcida de futebol. Não pedem justiça, pedem condenação. Primeiro elegem o criminoso a ser parado na blitz, depois procuram exaustivamente uma luz queimada ou extintor vencido em seu veículo. No fundo, a "corrupção" e "ética" não lhes diz tanto, adotariam qualquer outra estratégia contra o inimigo: "Aos amigos tudo, aos inimigos a lei". Comemoram e compartilham denúncias contra desafetos, mas se calam com igual denúncia contra um aliado. Nisso se tornam muito parecidos com o PT.      


Malafaia, Feliciano e Bolsonaro estarão juntos em um 
trio elétrico, com coreografia. Ditadura teocrática já!
Em nome de meus valores ÉTICOS, não consigo desfilar com quem finge querer a justiça e democracia, mas que na verdade apoia (ou faz vista cega, seletiva) a outros corruptos no lugar dos atuais. Em nome de meus juramentos LIVRES, não posso marchar ao lado de quem deseja de volta os anos sombrios, assassinos - e também corruptos - da ditadura - ainda que rebatizada eufemisticamente de "intervenção" contra a democracia constitucional. Me roubem tudo, menos meu direito à liberdade de pensamento. Sem liberdade, não há país.       

Traga a sua hipocrisia.
Fica ainda pior: Numa chamada televisiva recente, um partido político (igualmente corrupto) se apropriou da manifestação "apolítica", e patrocinado pelas mesmas empreiteiras, tem feito campanha de marketing para que o slogan da manifestação cite menos a ética e corrupção, mas sim a retirada de um desafeto do poder. Mesmo as acusações contra Lula ficam em segundo plano - mais importante seria a mudança do quadro eleitoral. Se você não vai, ela fica. Como "ela" sairá, não importa, e quem entra são os interessados na manifestação. 
  
Triste época! É mais fácil desintegrar
um átomo do que um preconceito.
Como a maioria, também quero ver presos os criminosos do PT. Por serem criminosos, e não por "serem do PT". Como não persigo pessoas pelos seus pensamentos, quero ver presos os criminosos de todas as ideologias. Se prendemos todos os corruptos, temos uma nação mais justa. Mas em qualquer país, se prendemos apenas de um partido e fazemos vista grossa aos outros, temos sim perseguição política. Não consigo conceber que acusados de corrupção pela mesma operação coordenem passeatas que seriam contra a corrupção e as transformem em atos hipócritas em nome de seus próprios interesses pelo poder.
      
Pressionar qualquer governo por melhorias, SIM!
Marchar ao lado de extremistas de direita, fanáticos
religiosos e saudosos da ditadura, JAMAIS!
Outros perseguem não o PT, mas toda a esquerda. Se qualquer denúncia é motivo para exterminar a esquerda, e só ela, melhor. Esses temem que a esquerda implemente um dia aqui algum regime autoritário, como o comunismo. 

"A história só se repete como farsa"
Alguns dizem que já vivemos em um comunismo, o que me parece um pouco de paranoia exagero em um país onde bancos ganham fortunas, empreiteiras financiam partidos e privatarias são a principal lavagem de dinheiro de corrupção. Haja desconhecimento de sociologia e filosofia! Mas para evitar o risco de autoritarismo, conclamam os autoritários. Ora, eu também sou a favor da liberdade. Não só a de propriedade, mas também a de expressão, costumes e credo. Exatamente por isso, não posso me aliar a fundamentalismos contrários à liberdade para combater o risco de ameaça à liberdade. Não faz sentido!

Além disso, há um enorme erro conceitual sendo cometido pelos "anti-comunistas" : nem toda esquerda é "comunista", e nem toda ação social via impostos é de esquerda. A Inglaterra não é de esquerda, mas tem amplas políticas sociais. A França e o Canadá são laicos, democráticos, laicos e liberais, mas ainda assim tem bons serviços públicos. Os Estados Unidos são o ícone do capitalismo e neoliberalismo, mas tem diversos sistemas de bolsas a necessitados. A justiça social pode ser feita, em um sistema democrático, por melhor distribuição das verbas públicas e controle dos excessos e abusos na economia. E isso em sociologia é posicionamento "de esquerda" sim. 


Logo, não posso concordar com uma perseguição a todo e qualquer pensamento social democrata, ou centro-esquerda-liberal. Notem que o principal partido opositor e organizador da passeata se diz "Partido da Social Democracia Brasileira", ou seja, de centro-esquerda. Tem propostas parecidas, tem as mesmas acusações de corrupção, é financiado pelas mesmas empreiteiras, mas hipocritamente alia-se numa perseguição Mc Carthiana a todo pensamento humanista, a qual só tem precedentes na ditadura que perseguiu e exilou os próprios fundadores do PSDB. Não tenho estômago para tanto.

PSDB chamando para ir às ruas protestar contra a corrupção...
...é como se a Suzane Von Richthofen estrelasse as propagandas de dia dos pais

Dito isso, eu APOIARIA SIM um movimento contra a corrupção, não contra um partido ou pessoa - mas vejo esse se tornar um apedrejamento de um lado só. EU APOIARIA SIM, um movimento pela democracia - mas vejo lemas que pedem o revogamento da vontade popular, antes de um julgamento. Eu APOIARIA SIM um movimento para melhorar o país - mas vejo quem não exitaria em piorar o país apenas para atribuir isso à atual administração, ou colocar o seu próprio grupo no poder.


Reforma política democrática: a única solução.
Sem financiamento privado milionário de campanhas.
Redistribuição proporcional das vagas do congresso.
Pelo fim do horário marqueteiro eleitoral! Voto distrital e
facultativo. Fim do voto de legenda
.
Sabemos também que a origem desta promiscuidade está no modelo de financiamento de campanha e na má representatividade que o atual sistema implementa, distanciando o poder estadual e federal dos representantes distritais da população. Ora, os que pedem mudança agora são os mesmos que vetaram recentemente a proposta de reforma política, pois beneficiam-se do mesmo modelo. Logo, a única mudança que lhes interessa é a de mãos de ladrões. Não posso marchar ao lado disso.       

Também me indigno com as notícias de corrupção, tanto de políticos de todos partidos, quando das "pequenas" corrupções que se tornaram o dia a dia de (quase) todos os brasileiros. Mas a minha indignação não é seletiva. Como psicanalista, evito projetar meus próprios erros na sombra de um alvo só. E o melhor antídoto que vejo para isso é querer justiça para todos, me afastando de discursos de "todos contra um só". Sei que a maioria dos linchamentos parece justa, mas um único erro anula mil acertos, e em geral linchadores se tornam criminosos também, incitados pela multidão. Concordo que o caminho regular da democracia, da justiça e da verdade sejam lentos. Mas os outros caminhos não são opção.        

"Ninguém pretende que a democracia seja perfeita ou sem defeito.
Tem-se dito que a democracia é a pior forma de governo,
salvo todas as demais formas que tem sido experimentadas
de tempos em tempos."(Winston Churchill)

É por não concordar que Lula esteja acima da lei que não posso aceitar estar do lado de gente que já tem a condenação antes do julgamento - isso é tão grave quando já defendê-lo a priori. É por não concordar que o PT manipule as massas com ideologias partidárias e abuso do poder executivo que não posso estar do lado de gente que defende a manipulação da mídia e abuso do poder judiciário para atender a seus objetivos.      

Heil, Bolsomito!

Corrupção é terrível. Desigualdade também.
Tenho também um juramento de amor em nome de Deus e da pátria. Não me sentiria bem passando por cima dos seus poderes e constituição. Quero sim MUDANÇA e JUSTIÇA, mas pelas vias éticas e democráticas para tanto: meu voto, e os tribunais.        

Lula não me representa. Mas menos ainda me representa quem pede o fim da liberdade, quem passa por cima dos poderes, quem persegue quem pensa diferente, quem defende a discriminação dos mais necessitados, quem viola direitos humanos, quem incentiva a desigualdade, quem alimenta guerra civil, ou quem coloca o ódio acima da fraternidade,  o preconceito acima da igualdade e a ditadura acima da liberdade.  

Se eles são ruins - e me parecem mesmo que ambos sejam - eles não podem ter o direito de roubar até mesmo a MINHA virtude. Justiça sim, linchamento não!  
Malditos pobres! Ah, se
eles não votassem...

A Marcha dos Corruptos

Vão pra Cuba, Mexicanos! Por um muro separando o Nordeste!
Queremos o Brasil de volta para os imigrantes europeus do Sul e Sudeste do país!
Pra que termos apenas um Bolsonaro se podemos nos vender pros EUA e termos logo dois?

Não é fácil ser professor de história e filosofia nesse país...





   

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Paixões Paralelas no Netflix

No tema SONHOS LÚCIDOS, um filme interessante que recomendo e gosto muito é o Passions Of Mind (Paixões Paralelas) que acaba de ser "lançado" no catálogo do Netflix Brasil. Me lembra o sonho de Jung e a borboleta de Sun Tsu.

Sun Tsu sonhou que era uma borboleta que dormia e sonhava que era Sun Tsu. Quando acordou, Sun Tsu não sabia mais se havia sonhado que era uma borboleta ou se era uma borboleta sonhando ser Sun Tsu.

Me lembra também de um sonho de Jung, em que ele enfim chega a um local onde havia um monge em profunda meditação, e nesta meditação criavam via e vivia a vida de Jung. E Jung diz que naquele momento teve certeza de que se aquele Yogue de seu sonho "acordasse" do transe, toda a vida e universo de Jung desapareceria ao mesmo tempo.

No filme, Demi Moore vive as duas personagens das realidades opostas e complementares. Qual das duas seria o sonho? E porque apenas alguma das duas seria considerada "realidade"? E se a proporção de lucidez dos "sonhos" em relação às "realidades" fosse de 50% cada, como adotar uma delas como a "vigília" que promove a outra?

E assim, uma história leve e simbólica, romântica, vai se complicando com atuações convincentes de psicanalistas nos dois lados do sonho. E ambos nos convencem de que o outro lado não poderia mesmo ser real. Divertido. Mas bem, eu disse "leve"? Sim, a princípio. Mas inevitavelmente a trama despretensiosa e chavão se aprofunda, com "camadas" simbólicas e psicológicas. Não é uma obra prima, mas quando o expectador percebe, sua matiné de comédia romântica se foi, e ele já está envolto no complexo questionamento de "realidade" que filmes desta categoria (Matrix, A Origem, 13º Andar, Cidades das Sombras) sempre promovem em relação às sombras da caverna de Platão.


sábado, 21 de novembro de 2015

O que é bruxaria? O Estado Cristâmico e a inquisição velada

Isso não são bruxos nem aqui nem no Halloween
BRUXARIA: filosofia de vida pagā baseada em "tradição oral" (*) com forte ligação com a Grande Mãe Gaia, com a Natureza e estações, com o fogão e suas magias, com os ancestrais dos mundos físico ou paralelo, com as Artes, com as Ciências (incluindo as humanas), com as ervas, com o auto-conhecimento psíquico e com os Deuses, independentemente de panteão. 

BRUXOS respeitam todas as formas de crença, sexualidade, cultura, posicionamento político, origem ou auto-expressão, pois sabem na pele [queimada de seus ancestrais] o que é intolerância. 

Em geral BRUXOS celebram mais os deuses e festivais antigos - greco-romanos e celtas, às vezes escandinavos e africanos. Isso não se dá por "credulidade", mas para maior precisão arquetípica nas  estruturas tradicionais a partir das quais todos os demais deuses e mitos se derivam - incluindo os deuses / mitos / profetas / festas / espíritos e santos dos judaico-cristãos que nos perseguiram. Portanto, não existe "bruxaria satanista", uma vez que Satanás, Lúcifer (e suas variações) são sombra das divindades judaico-cristãs. E a bruxaria é uma outra religião, com outro panteão. Se alguém cultua Satanás é cristão, ainda que um cristão-do-contra. E bruxos não são cristãos.
Paganismo é religião antiga - matriz de todos cultos ocidentais

Portanto, a não ser que você faça parte do Estado [Islâmico] Cristâmico, sugiro que simplesmente PARE de chamar a sua vizinha ou sogra pejorativamente de "bruxa". A não ser, é claro, que ela seja tão feliz, antenada, resolvida, culta, artística, sexuada, tolerante, empoderada, centrada, sem culpa, estudiosa, bem humorada e atenta à natureza quanto nós.

(Por Hades, da Casa Telucama)

(*) Bruxaria "tradicional" e "tradição oral" implica em pertencer a uma TRADIÇÃO antiga, passando informações via oralidade e convivência há séculos, celebrando e conversando em família / aldeia. Portanto, é impossível um "paganismo moderno" que seja "tradicional". Ênfase também no "oral". Sendo um convívio, não há como "aprender" bruxaria tradicional em livros ou sites de internet.
 
Preconceito religioso? Chuta que é macumba, NÃO, PÉÉRA...
   

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Bandeiras de Minas e da França: uma mesma origem histórica

O autor deste blog é mineiro de Araxá, aluno da Aliança Francesa, 
francófilo, viaja para Paris, já levou amigos de fora para conhecer
 Ouro Preto e Mariana, é reconhecido pela sociedade citada e há 
anos usa fotos no Rio Sena como tema desta página - até ser 
acusado (por paulistasde seguir "modinha da bandeira 
francesa" que "ofenderia" os mineiros, nós. Nu! 
Esse pôvé chato e dôidimais da conta, uai!

Após as tragédias de Paris e Mariana em uma mesma semana, começou uma curiosa competição de tragédias e suposta briga de bandeiras de perfil justamente entre Minas e França. Os intolerantes e patrulheiros ideológicos (sempre eles) insinuavam que optar pela bandeira de apoio a uma tragédia significaria [na cabecinha deles] estar oposto ou insensível às vítimas da outra. Pensavam estar sendo "politicamente corretos" ou "nacionalistas". Mas como a intolerância é companheira inseparável da ignorância, apenas confessavam seu desconhecimento. "Senta" que lá vem história:

Curiosamente, as bandeiras de Minas e França - justamente essas duas - são co-irmãs, e aludem ao mesmo movimento, momento, ideais - e, digamos, patrocinadores

Quem conhece a história sabe perfeitamente que não é por acaso que a bandeira mineira tem formato tri ∴ angular e começa com um "Liberté / Libertas / Liberdade" em latim, uai! 

Libertas  Liberté
A bandeira original dos inconfidentes deixava mais claro ainda esse simbolismo de três pontos, e tinha cores VERMELHO BRANCO E AZUL como a francesa - veja foto abaixo. Depois a bandeira da inconfidência foi estilizada para a versão mineira atual, vermelha e mais discreta. 
vermelho ∴ azul ∴ branco
As três cores da França na bandeira mineira eram uma alusão muito óbvia aos liberais mundiais dos três pontos. Por isso considerou-se uma bandeira mineira com a cor verde, das nossas matas. Entretanto, o triângulo verde descaracterizava demais o movimento inicial - e suas origens franco-iniciático-revolucionárias.

Já a bandeira francesa tem uma divisão tricolor aludindo à mesma simbologia tri angular universal que conduziu a Inconfidência Mineira e a Revolução Francesa. Como associa a trilogia de Krzysztof Kieślowski, "A Liberdade é Azul, A Igualdade é Branca, A Fraternidade é Vermelha", uai. D'accord?

Liberté, Égalité et Fraternité!
Nós-K-nós, sempre desconfiei que Minas e França são quais-quia-mesma-coisa, uai. A começar pelo queijo, primeiro símbolo pelo qual um mineiro ou francês se definiria. Mas há muitas outras coincidências: a resistência ao mesmismo, a indústria do pret-a-porter fast-fashion, a preferência pelo slow food, o dialeto de ambos juntarem e mixarem as palavras: sempre digo que falar francês é fácil para um mineiro que fala "cê qué vê?", "on cô tô?" e "tôm prô cê!"

Nóis é tudo quêjo do mesmo coalho, uai!

Mineiros e franceses são conhecidos por serem pacatos e combativos que dão um boi para não entrar numa briga e uma boiada para não sair (lembram do Asterix?), pelo amor à vida simples e produtos da fazenda / de pays, pelo jeitim ao mesmo tempo charmoso simples chic e discreto de suas meninas (como elas conseguem?), e pelo mesmo arquiteto e pedreiros que construíram seus tempos e templos, revelações e revoluções, cátedras e catedrais.

direita: Minas
escrever o texto
entre duas colunas

esquerda: França
escrever o texto
entre duas colunas

Quem me conhece mêssssssmmm' sabe que em minha moto essas duas bandeiras - mineira e francesa - sempre coexistiram. Uma de cada lado da scooter, com a brasileira no meio. 

Apesar de eu ser mineiro e francófilo, não é só por isso que essas duas bandeiras estão lá, juntas, há anos.

Ninguém é obrigado a saber de tantos detalhes históricos e iniciáticos, é claro... a não ser que queira perseguir os perfis de amigos com seu chativismo ignorante (pleonasmo). Nesse caso, passa atestado de burrice, para dizer o mínimo.

Com tanta causa mais útil do que combater a solidariedade alheia, o irônico nisso tudo é que é muito atestado de ignorância histórica os intolerantes (sempre eles) estarem OPONDO e fazendo competir justamente estas bandeiras coirmãs perfeitas de França e Minas Gerais.


Que coincidência! Né que lembra mêssssm' a bandeira mineira, uai?
Nu! Só pode sê coisa do Obama, eu vi esse mesmo ôio e pirâmide na nota do dólar..



quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Água mata. Café e ovo também.

Água mata: A epistemologia pode-não-pode do ovo e do café

Gosto por café amargo sugere psicopatia, afirma "pesquisa".
Se chegou a este blog, comece a correr.

Uma pesquisa recém divulgada "concluiu" que (1) "gostar de café sem açúcar e bebidas amargas sugere psicopatia". Entretanto outros estudos garantem que (2)  grande parte da população tem traços de psicopatia - sem precisar estudar as bebidas que tomam. E quase todos autores das ciências humanas reafirmam que (3) vivemos tempos líquidos, imediatistas, narcisistas, hedonistas e sociopatas.

Embora o primeiro estudo adote um método científico "focado", desconsidera o [mundo-real-onde-as-pessoas-vivem] contexto transdisciplinar. Por isso afirma uma falácia non sequitur, como se dissesse que "água mata, pois todos os mortos já tomaram água". Já é minha favorita para próximo Prêmio Ignóbil. O café amargo do psicopata me lembra o sofá de sala do Manuel, aquele desafortunado marido finlandês.

Novas pesquisas no Google indicam que
novas pesquisas na Superinteressante
talvez não sejam tão bem
pesquisadas assim
E agora, em mais uma dessas pesquisas "não-pode-mas-pode", as mesmas publicações semi-interessantes "divulgam" que "café cura uma série de doenças"Pode até ser. Mas como cada pesquisa do tipo, em seu esforço de ser [bombástica] publicada sempre convenientemente desconsidera (1) a transdisciplinaridade, (2) as pesquisas anteriores, (3) a relevância, (4) as falácias conclusivas e (5) o contexto global do objeto pesquisado; imagino o dia em que lerei na uma "pesquisa na Inglaterra" (são sempre eles) dizendo que:

"Pesquisas comprovam que água mata. Estudos sugerem que todos que já morreram tomaram água. Para comprovar a teoria, alguns [jovens pós-graduandos criativos e sem noção] cientistas ingleses investigaram o histórico de 1000 doentes terminais em diferentes hospitais do mundo, e concluíram que o único alimento em comum entre todos eles era a água. Mais cedo ou mais tarde, 100% deles vieram a óbito. Os pacientes, não os cientistas."

Say my name? Heisenberg!
Say my name!
E não sou (só) eu quem aponta os limites de um método científico excessivamente [cego🔙] causal e focado. Há críticas desde David Hume, passando por Karl PopperCarl Gustav JungEdgar Morin,, Thomas Kuhn e Ken Wilber

"- Yo, Mr. Freire, don't forget to say Heisenberg's  name, bitch!"

Piora muito quando este método reducionista se alia aos interesses da imprensa e do politicamente correto. Nem vou falar do ovo. Se uníssemos as pesquisas e patrulhamentos do "pode-não-pode" apenas do café teríamos algo como:
 
To be or not to be lethal, that is depression...
Café cura doenças. A não ser que seja amargo, pois outra pesquisa [sem noção] recente demonstra que quem toma café sem açúcar pode ser psicopata. Então adoce. Mas não use açúcar comum pois causa diabetes e obesidade. Além do que, a mistura melecada de café+açúcar é o principal irritador cotidiano de gastrites: derrame um pouco na mesa, cole o braço ali pouco depois, e imagine isso em seu estômago.
Portanto, café só cura tudo se você usar adoçante. Mas ciclamato com sacarina não pode: provoca câncer. Aspartame também não pode porque contém felaccio-senil-na-mina ou algo assim.
Sucralose, nunca: é um derivado da cana-de-açúcar, então você está empoderando usineiros e financiando o desmatamento da mata-atlântica para a monocultura. Talvez você pudesse usar açúcar mascavo ou rapadura, mas a rapadura de hoje é industrial e tem produtos químicos cancerígenos, feita por porcos capitalistas. Prefira os açúcares escuros orgânicos e artesanais, mas cuidado para não explorar trabalhadores rurais e pequenos produtores, senão o capitalista consumista porco será você. 
Nada mais cool que o hipster. E vice-versa.
nada mais cool que o hipster 
Até porque comer rapadura moída todo dia fará você engordar feito um porco, mesmo que em vilamadalês ela se chame de "açúcar mascavo-cabeça sem glúten".
Sobrou a stevia, que ciclistas hipsters adoram [embora usem açúcar refinado escondido]. Mas stevia sufoca as "notas" do "terroir" do café. Sim, pois agora há a versão cafeinada ou cervejeira do enólogo-mala. Ser chato era caro, até descobrirem que cerveja e café são mais baratos do que um bom ano do Petrus. Como os "especialistas" recomendam café com açúcar, certamente são psicopatas.  

Já que não posso adoçar, nem tomar amargo, nem deixar de tomar porque cura, nem tomar porque faz mal, nem usar adoçante, nem açúcar... Enfio logo uma meia dose de Bailey's Irish Cream na minha xícara de Nespresso. 

"- Opa, você disse Nespresso?", já me fuzila com ar de reprovação meu amigo enólogourmet-de-café. "Não entro em lugar algum que sirva essa m*rda capitalista suíça de café pasteurizado: você deveria tomar o orgânico sem glúten da Isabella Raposeiras, que lembra o terroir mogiana da fazenda Pessegueiro. Mas não tome em prensa francesa, pois seria um descaso com as vítimas de Mariana."

É por isso que eu sou a favor do desarmamento. Não é bom a gente andar armado quando escuta uma coisa dessas... 

Tomo meu café "adoçado" com Bailey's mesmo, lendo a nova pesquisa sobre ovo e café. Reflito que, passada um pouco nossa adolescência positivista e iluminista, talvez seja hora de questionarmos os limites do atual paradigma científico, ampliando a integração do sistêmico, transdisciplinar, dedutivo ou acausal. Macros são feito de micros, e os transcendem: como afirmar algo definitivo sobre o amor do poeta a partir apenas da análise dos átomos de tinta deixados no papel?

Apesar de todos os filósofos da ciência que citei, em 300 anos de questionamento, a academia prefere permanecer em Chico Toucinho. Quero crer que não seja por conveniência, ignorância ou ganância em maximizar produção e publicação reduzindo ao máximo o questionamento e refutação. Lembrando aos adeptos de Francis que o Bacon é outra coisa que mata.

Que bom que café faz bem. Ou mal. Tanto faz, já que devo morrer por causa do ovo que eu comi na semana passada para me salvar. Como coordenador de filosofia (e, por conseguinte, epistemologia) de um grupo transdisciplinar de pesquisas em uma escola de Medicina, talvez eu tenha olhos mais críticos e céticos em relação à relevância contextual de certas pesquisas, ao mesmo tempo em que sinto o quanto é difícil publicar trabalhos de anos quando ousam ser verdadeiramente inovadores e transdisciplinares. mas vejo certas divulgações com alguma suspeita metodológica de reducionismo, especialmente devido à delimitação de contexto e excesso de síntese que a maioria dos orientadores [preguiçosos] produtivos vêem como "qualidade". 

O que percebo ALÉM DO ÓBVIO é que, por um lado, é flagrante a culpa do sensacionalimo folhetinesco de algumas revistas e sites que adoram confundir a população com o "pode-não-pode" generalizado a partir de fragmentos de pesquisas isoladas. Mas por outro lado, isso também é causado por uma indústria acadêmica do "você é o quanto você produz".    

Produzir, delimitar e sintetizar demais é a moda - talvez a doença - da universidade atual. São tempos líquidos, consumistas e fast-food até na ciência - e no caso de "café" e "ovo", até em seus alvos de pesquisa. Mais fácil e seguro fazer mil teses seguras do que uma só com relevância paradigmática, contexto e sustentabilidade.
"Precisamos produzir... Delimite! Sintetize anos em 3 páginas... Gera menos rejeição, quem se importa com conteúdo? Cite mais e tenha menos ideias próprias... É preciso "ter mais foco" (ou seja, menos da visão sistêmica que nos protege de equívocos futuros). Seja menas", porque isso está transdisciplinar demais [para os limites seguros que sustentam as contas e o frágil ego acadêmico de seu orientador e castrador]...
Como bônus, essas pesquisas isoladas e descartáveis (enquanto contraditórias com o contexto do objeto pesquisado) ainda geram mais "fama". Pelo menos na Superinteressante, tablóides ingleses e redes sociais.

Quando ler a próxima pesquisa dessas, lembre-se: Água mata e pode causar câncer. É sério. A produção científica é que não anda lá tão séria assim.

domingo, 15 de novembro de 2015

Je suis Parríana, uai!

Quando penso já ter visto todo tipo de pobreza de caráter, eis que surge uma nova categoria de vilania abaixo do fundo do poço: os patrulhadores ideológicos CONTRA a solidariedade alheia. 

Quando penso que o chativismo-político-radical já nos causou todos os tipos possíveis de vergonhas alheias, eis que os mesmos de sempre se apropriam de cadáveres frescos para justificar sua nova "missão virtual": criar um novo "Fla X Flu" injustificável, apenas para enquadrar sentimentos e apoios (a Paris, a Mariana) dentro de seu próprio sistema de dualismo reducionista e miséria intelectual.

Sou um grande crítico do uso - e abuso - do botão BLOQUEAR. Em um mundo intolerante onde narcísicos só validam seus próprios espelhos, como Pequenos Príncipes que agem como "donos do mundo" (de um planeta sem ninguém), cabe uma leitura psicanalítica do exagero de "bloqueios" no WhatsApp, Facebook, Torpedos e redes em geral.

Criticamos assassinatos por intolerância, mas nosso Estado Islâmico Interno faz uma versão simbólica da mesmíssima coisa, contra quem vota em outro partido, contra quem tem outra religião, contra o ficante que não é mais conveniente, contra os parentes e amigos do ex, contra tudo e todos que não curtamos mais.

Entretanto, ao ser apresentado aos "patrulhadores ideológicos contra a solidariedade alheia", descobri hoje a grande motivação de quem criou este botão: garantir que ninguém minimamente humano e solidário precise continuar habitando o mesmo planeta virtual que estes castradores da sensibilidade de outrem.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Reducionismo dualista: Quando o bom senso é agressão

Sempre foi impossível, aos que pensam, agradar à mediocridade do senso-comum. Em qualquer área e época, quem se posiciona recebe forte oposição. Pode ser um Sócrates, Jesus, Demolay, Copérnico, Lutero, Darwin, Freud, Jung, Gandhi ou Lenon. Tanto faz. Como no experimento dos cinco macacos, quem tenta sair da mesmice deve estar preparado para apanhar. 

Mas atualmente tem piorado. Nesses tempos pré-neo-medievais, até ter bom senso está ficando difícil. Pondere algo, e você já vira inimigo. Com bullying dos dois lados, para piorar. Compreendo a divisão tico-e-tecognitiva dessa gente [e até interajo com eles e jogo biscoitos quando estou a uma distância segura], mas isso não me coloca em um dos lados dos muros de ninguém. 


Caros coxinhas e petralhas, favor me "incluir fora" disso.
Quando aponto e discirno qualquer absurdo oriundo do PT, Haddad, Lula, ciclofaixas, bolsas eleitoreiras, populismo e etc, alguns militontos me chamam de coxinha. Para piorar, os coxinhas-de-fato acham que "agora eu finalmente passei para o lado deles". Preguiça.

Entretanto, quando aponto e discirno absurdos do PSDB, Alckmin, FHC, pedágios, privatarias, individualismo, empresários e etc, alguns reaças me chamam de petralha. Para piorar, os petralhas-de-fato de fato acham que com isso endossei [os roubos] as causas deles. Não!

Se eu penso e explico a favor de um único ponto que o sectário (de esquerda ou direita) gosta, sou um "intelectual que sempre diz o que a gente pensa". Entretanto, se eu penso e explico contra um único ponto que o mesmo sectário gosta, passo a ser um "pseudo intelectualóide que só fala besteira".


pseudo-intelectual [Gr. Lat.] [Filos. Polít.] [s.m. adj. pejor. deprec. de um suj. imp.]: qualquer um que tenha estudado mais que eu, especialmente Ciências Humanas, e ainda assim discorde de meu ponto de vista. mesmo que: "intelectualóide" ou "graduado em ciências humanas". Quanto mais embasamento histórico-sociológico-filosófico-político-conceitual algum pós graduado tentar usar para aplacar seu ódio, mais "pseudo-intelectualóide-arrogantezinho-de-merda" ele será. Refute-o com argumentos ad-hominem (v.t.). Persistindo os sintomas, consulte VEJA.


Fora Glúten! Abaixo a Lactose!
Morte às cesarianas!
Antigamente, aos olhos dos radicais, ser imparcial era apenas "ser covarde", "em cima do muro", no máximo um "responsável por omissão". Hoje em dia, não. Não estar do lado de um significa estar do lado do outro, e merecer indiretas, patrulhamento, bullyng e agressão - mesmo em grupos de amigos. Afinal, se for possível ser ponderado, o radical parecerá um doente mental, e não um cruzado heróico salvando o mundo [vestido de Napoleão]. Se você não parece ser de uma religião distante, merece ser morto em seu próprio país. E não por acaso, apoiar essas mesmas vítimas da França faz de você um "inimigo" (oi?) não do Islã, mas... dos mortos de Mariana!?!?!?
Há muito as teologias mais dualistas e proselitistas
endossam o sectarismo, e não por acaso as
teocracias só ocorrem a partir delas

Em suma, em termos de Psicologia Social, vivíamos em um país de estrutura neurótico-bipolar, e reclamávamos de barriga cheia: agora ele parece evoluir para um psicótico transtorno de personalidade narcisista e/ou borderline, sintetizado pelo lema: "Meu cérebro, minhas regras - e morra você, pois o Outro não existe. Para ser persona no grata, não precisa mais ser contra minha causa: basta não ser a favor."

A julgar por esta perseguição ideológica reducionista, zumbis devem estar passando fome por falta de cérebros em nossa sociedade.

Nessa semana, apontei vários problemas dos dois lados. Com argumentos, dados, aprofundamento e análise. Não para equilibrar um lado com outro, mas por mera cidadania, por serem problemas graves que mereciam discernimento, independentemente da filiação política dos responsáveis por cada equívoco. 

Parafraseando Krishnamurti, "não é prova de ética ou sanidade estar
por demais contra (ou a favor de) um só dos lados de qualquer
polaridade espelhada, interesseira e doentia"
Mas a patrulha ideológica reducionista nem lê até o fim. Já entra embaixo condenando quem "ousou" apontar os equívocos de seu lado "favorito". Fica mais engraçado quando dizem que eu "nunca posto contra o PT". Ora, apesar de alguns posts humanistas ou em defesa das mulheres (coisa de "comunista", segundo o novo hospício Brasil), tampouco poupei críticas ao aumento da dívida pública para sustentar bolsas eleitoreiras, e à eugenia e elitismo da política Suvinil de São Paulo. Ler os meus posts pra que? Para ser perseguido nem precisa ser contra, basta não ser 100% a favor.

Sectários dos dois lados, ativistas virtuais de um Fla X Flu passional de Facebook, pastores chatos do "petismo cego" ou do "fora Dilma", gente que transforma redes de amigos em divisões: Chega! Assim como dos políticos, o Brasil já está farto de vocês.

É preciso irmos além deste reducionismo dualista - Fla X Flu, BaVi, Grenal, Petralha X Coxinha, Bike X Carro, Hipster X Cool, PT x PSDB, "Comunista" x "Fascista" - que acha que cada vez que criticamos maus atos de um estamos apoiando o outro. Se o seu mundo ainda precisa ser preto ou branco, hoje se fala em "50 tons de cinza" - e eu prefiro viver as 16.777.216 combinações de cor.

Não abro mão do meu direito de pensar, em 3ª via, independente. E não, isso não me faz adepto de nenhum dos lados da visão pequena e partidarizada daqueles que parecem não superar a disputada "final" do "campeonato" eleitoral do último pleito presidencial.